Factos & Documentos

Nº 1707 - Primavera 2009
Publicado em Factos e Documentos por: Revista Seara Nova (autor)

E se Obama fosse africano?

“Se Obama fosse africano, um seu oponente (um qualquer Georges Bush das Áfricas) inventaria mudanças na Constituição para prolongar o seu mandato para além do previsto. E o nosso Obama teria que esperar mais uns anos para voltar a candidatar-se. A espera poderia ser longa, se tomarmos em conta a permanência de um mesmo presidente no poder em África. Uns 41 anos no Gabão, 39 na Lìbia, 28 no Zimbabwe, 28 na Guiné Equatorial, 28 em Angola, 27 no Egipto, 26 nos Camarões. E por aí fora, perfazendo uma quinzena de presidentes que governam há mais de 20 anos consecutivos no continente”.

Mia Couto

Jornal “Savana”

14 de Novembro de 2008

 

Reflexões de Sampaio

“Como se pode mobilizar um povo, convocá-lo para a causa comum, se a classe dirigente tem tripudiado sobre a cultura de relação de que se compõe a democracia avançada? Nada nesse sentido tem sido realizado, sequer tentado. O próprio Sampaio, quando Presidente, ao rejeitar Ferro Rodrigues, e abrir portas a um intermezzo cómico, participou, activamente, no retrocesso histórico que fez aumentar a indiferença e o desencanto dos portugueses. As desproporções obscenas entre os sacrifícios impostos e as regalias generosamente distribuídas por uma casta de privilegiados não são de molde a entusiasmar a população. O discurso oficial desloca-se numa falsa euforia e passa para a depressão mais inquietante. Ninguém, de boa fé, acredita nestes «políticos», cuja representação é diariamente demolida pelas evidências dos factos”.

Baptista-Bastos

Diário de Notícias

14 de Janeiro de 2009

 

Quem fala verdade?

“Teixeira dos Santos não estava a ter vistas curtas quando disse que o mundial de futebol não é prioritário para Portugal; estava tão-somente, a ser realista. (...) Disse desconhecer que o assunto tivesse sido tratado no seio do Governo português mas, no mesmo dia, o Executivo espanhol emitiu uma nota em que pode ler-se que Lisboa e Madrid estão de corpo e alma no projecto”.

Pedro Ivo Carvalho

Jornal de Notícias

23 de Janeiro de 2009

 

Empresas fecham portas

“Em cada dia de Janeiro uma média de dez empresas fecharam as portas ou entraram em processo de insolvência. O sector da construção civil foi dos mais afectados, com mais de 60 firmas a encerrar. (...) A maioria abriu há menos de uma década e são pequenas e médias empresas, sendo que 70 por cento tem menos de 10 empregados”.

TSF

6 de Fevereiro de 2009

 

Campeão dos candidatos a tapete

“Entretanto, prepara-se a libertação de 60 desgraçados que em Guantánamo passaram sabe-se lá o quê até que os carcereiros descobriram que não eram culpados de coisa nenhuma. E o que fazer com eles? Quando seria natural pensar, como sustentam a Bélgica e a Áustria, que é «um problema criado pelos EUA e que só a eles cabe a resolução», tudo indica que querem mandá-los para a Europa. Isto faz-me lembrar os desenhos animados (americanos) em que se vê o gato Tom a varrer o chão e depois a esconder o lixo debaixo do tapete. Como campeão dos candidatos a tapete, surge Portugal, que orgulhosamente se afirma como o primeiro a oferecer-se para receber alguns ex-prisioneiros. Uma manifestação de espírito humanitário? Ou, antes, uma demonstração de submissão diplomática? Façam a pergunta ao ministro Luís Amado”.

Sérgio de Andrade

Jornal de Notícias

10 de Fevereiro de 2009

 

Critérios

“Conta-se que Nuno Cardoso, há meses, agitou uma sondagem que o dava como favorito para derrotar Rui Rio no Porto. Sócrates terá sido inflexível – Cardoso não podia ser candidato do PS por causa dos problemas judiciais em que tem estado imerso. Critério que, curiosamente, não parece aplicar a si próprio”.

Carlos Abreu Amorim

Correio da Manhã

23 de Fevereiro de 2009

 

Ainda agora começou...

“O presidente norte-americano, Barack Obama, vai pedir mais de 200 mil milhões de dólares para enfrentar nos próximos 18 meses os custos de guerra dos Estados Unidos, segundo um relatório divulgado hoje pela CNN. A rede de televisão, que citou funcionários do Departamento de Defesa não identificados, adiantou que o pedido de Obama inclui 75,5 mil milhões de dólares em 2009 para o envio de mais tropas norte-americanas para o Afeganistão”.

Diário Digital

26 de Fevereiro de 2009

 

Sócrates não é ingrato”

“Vários comentadores andavam há muitos dias a falar na «viragem à esquerda» que o PS ia fazer. Aparece Vital Moreira como 1.º candidato do PS ao Parlamento Europeu e vem logo um desses comentadores «isentos» dizer: aí está a viragem à esquerda! Mas o facto é que não está, pois Vital tem sido nos últimos quatro anos um dos maiores apoiantes e até co-autor, nalgumas áreas, da política de direita de Sócrates. Em relação a esse nomeação, o máximo que se pode dizer é que Sócrates não é ingrato!”.

José Decq Mota

Tribuna das Ilhas

6 de Março de 2009

 

Fátima e BPP

“O Santuário de Fátima era um dos melhores clientes do Banco Privado Português (BPP), segundo apurou o Correio da Manhã junto de fontes próximas da administração do Santuário. As mesmas fontes confirmaram que se tratava de «montantes significativos», que foram sendo desmobilizados à medida em que se procedia à construção da nova basílica”.

Correio da Manhã

6 de Março de 2009

 

Lucros em tempo de crise

“Como é possível a Galp ter quase 500 milhões de lucros, (e a EDP 1100) e milhares de micro e pequenas empresas continuarem a ver o crédito «por um canudo» ou terem de pagar um imposto (por conta) de resultados que não têm? Lucros daqueles não são de geração espontânea, só são possíveis porque o Governo se recusa a intervir do lado das famílias e das pequenas empresas, protegendo descaradamente os grupos económicos e financeiros mesmo que a economia e o país estejam na bancarrota. (...) A passividade do Governo é escandalosa. O verbo agir, que Sócrates tanto usa, serve para anunciar mundos e fundos, mas serve sobretudo para nos distrair e deixar intocável o essencial”.

Honório Novo

Jornal de Notícias

9 de Março de 2009

 

Coca-Cola ou Pepsi

“A degradação da vida política portuguesa não resulta apenas da falta de qualidade intelectual, quando não moral, das elites partidárias. (...) O principal factor dessa degradação é a indiferenciação pantanosa dos dois ditos «partidos de governo». Na Oposição, o seu discurso pode às vezes divergir, mas as suas práticas são inteiramente convergentes, e nem a do PS tem sombra de socialismo nem a do PSD de social-democracia. Aos portugueses que ainda votam PS ou PSD, a maioria, resta hoje a chilra escolha entre a Coca-Cola e a Pepsi”.

Manuel António Pina

Jornal de Notícias

9 de Março de 2009

 

Votar Freeport ou BPN?

“Na investigação parlamentar do BPN (...) os registos da comissão mostram que apesar das monstruosidades já apuradas os dois grandes partidos da democracia portuguesa anulam-se em silêncios comprometidos e questões irrelevantes. (...) O voto no BPN já se sabe quanto nos custou. Entre as clemências tributárias no governo de Cavaco Silva e as compras de empresas tecnológicas nesse conhecido centro de ciência avançada que é Puerto Rico, os portugueses já desembolsaram 1,8 mil milhões de euros para pagar as megalomanias de dois membros do núcleo duro político do actual presidente da República. O voto no Freeport ainda não se sabe quanto vai custar. De facto, até há o aspecto estranhíssimo do Freeport ser um completo e assumido desastre comercial. Para quê, então, gastar tanto milhão a alterar uma reserva da natureza que era, por odenamento, inalterável?”.

Mário Crespo

Jornal de Notícias

9 de Março de 2009

 

Crispado e autoritário

“Em 2005, em Portugal, os eleitores de direita abandonaram um candidato visto como empático, mas inconstante e diletante [Pedro Santana Lopes]. Hoje, os eleitores de esquerda afastam-se de um candidato visto como crispado e autoritário [José Sócrates].

Pedro Magalhães

Público

9 de Março de 2009

 

Paralisia institucional

“A União Europeia, enquanto tudo isto se passa, permanece debruçada sobre o seu próprio umbigo sem ser capaz de definir uma estratégia concertada sobre a crise, que toca todos os países membros da União, a começar pelos maiores e também pelos países de Leste, recém-entrados para a União. É um péssimo sintoma para o futuro. A paralisia institucional da União agrava seriamente a situação e o facto de se fazer representar nas reuniões internacionais (...) pelos países chamados do «Directório dos Grandes» não augura nada de bom para o reforço do futuro da União, quer no plano económico quer político”.

Mário Soares

Diário de Notícias

10 de Março de 2009

 

Futebolização da política

“O meu ponto de vista é este: de uma coisa, José Sócrates é culpado até à ponta dos cabelos – da forma como nos tem querido convencer de que tudo isto é uma maquinação para o derrubar. Essa estratégia substitui sempre a necessidade de dar explicações, e no entanto, todas aquelas suspeitas, da licenciatura ao Freeport, são inteiramento legítimas. Daí ser inadmissível que Sócrates negue essa legitimidade, por mera estratégia pessoal. É a futebolização da política: a culpa é sempre do árbitro, há sempre uma cabala por trás de tudo o que acontece. Ter o primeiro-ministro de Portugal a defender diariamente esta tese é uma punhalada na nossa democracia. Quem não vê isto, não vê coisa nenhuma”.

João Miguel Tavares

Diário de Notícias

10 de Março de 2009

Ver todos os textos de REVISTA SEARA NOVA