Cinema: "Silêncio" de Martin Scorsese

Nº 1738 - Primavera 2017
Publicado em Cultura por: Dulce Rebelo (autor)

Preocupado com as questões religiosas, que encontramos habitualmente em outros dos seus filmes, o realizador, que há muito pretendia fazer este filme, inspira-se no romance homónimo do cristão japonês Shusaku Endo para nos narrar a história de dois jesuítas portugueses, Sebastião Rodrigues (Andrew Garfield) e Francisco Garupe (Adam Driver) que, no século XVII, partem para o Japão à procura do seu mestre, muito apreciado e respeitado, o padre Cristóvão Ferreira (Liam Neeson).

Tendo chegado a Portugal a notícia de que o padre Ferreira, cansado com as contínuas prisões e insuportáveis torturas, renunciara à sua fé, os dois missionários farão tudo para o encontrarem.

A odisseia dos padres é tremenda, passando fome, frio e calor pelas aldeias a que têm acesso e onde procuram cristãos japoneses para lhes dar o seu apoio.

Actuando clandestinamente, pois o cristianismo é proibido no Japão, em breve são descobertos, humilhados, feitos prisioneiros e torturados.

Mas, o que mais lhes dói é verem os seus irmãos cristãos sofrerem suplícios atrozes em nome da sua crença.

“Como é possível que Deus não actue, impedindo o sofrimento daqueles que lhe são mais fiéis!?” - interroga-se o padre Rodrigues desesperado.

No seu íntimo trava-se uma luta entre a dúvida e a necessidade de fortalecer a sua fé.

O cineasta aborda ainda a problemática das religiões, das suas diferenças e similitudes e a crise da fé, tema que se evidencia nas conversas do padre Rodrigues, prisioneiro, com Inaue, governador de Chikuga.

A marca do realizador afirma-se nos cenários, na reconstituição dos lugares, nas dolorosas cenas do martírio de cristãos japoneses. Os actores vivem com intensidade as vicissitudes, exteriores e interiores, das suas personagens.

Ver todos os textos de DULCE REBELO