Cinema: Festival do Cinema Francês

Nº 1740 - Outono 2017
Publicado em Cultura por: Dulce Rebelo (autor)

I

O último verão trouxe-nos agradáveis surpresas, nomeadamente «uma última viagem ao cinema francês» do cineasta Bernard Tavernier.

Excelente narrador de histórias de cinema, Tavernier evoca os anos 40 e 50 e faz descobrir a importância de realizadores como Becker e Julian Duvivier. Fala dos seus heróis, realizadores e actores, com admiração e ternura. A sua própria história está ligada ao cinema, contando-nos o que se passa nos bastidores quando nos primeiros passos da “Nouvelle Vague“ trabalhava como assistente de Jean-Luc Godard. Discípulo dos mestres clássicos como Jean Renoir ou Jacques Becker, além dos modelos narrativos dos anos 50, a que se mantém fiel, percorre a “Nouvelle Vague” e mostra-se um apaixonado pelo Jazz.

A sua linguagem, pontuada de exclamações e silêncios significativos evoca um passado fílmico cheio de cor e vibração, que se revela uma nova descoberta para o espectador. Assim surgem figuras marcantes como Jean-Pierre Melville, realizador que introduziu no cinema francês o “noir” americano, Jean Renoir o mestre absoluto que realizou “A Grande Ilusão” (1937) e a “Regra do Jogo” (1939). Jacques Becker, o cineasta de grande rectidão moral, a quem dedica a primeira hora da sua história, ou Marcel Corné, a quem defende de acusações simplistas, evocando o belíssimo “Le Jour se Lève” (1939).

De forma emocionada refere-se a Jean Gabin, actor de excelência, cujo rosto apareceu nas obras dos realizadores acima evocados e que Tavernier admira profundamente.

Esta viagem dura três horas e é impossível referir muitos outros aspectos. Com este documentário, Tavernier deu um contributo inestimável à valorização do cinema francês, que trouxe até ao presente, levando a ver com outros olhos, mais atentos, os realizadores, autores e actores que contribuíram para a criação de tantas obras-primas da sétima arte e que o realizador trata calorosamente com ternura.

Este documentário causou grande impacto na França e passou a ser incluído em todos os festivais de cinema.

Ver todos os textos de DULCE REBELO